Plano de contas: tudo que você precisa saber para montar o seu

Como foi o plano de contas da sua empresa no ano que passou? E como ele está planejado para esse ano? Se você ainda não sabe bem como fazer o seu plano, chegou a hora de aprender!

Estar em dia com a saúde financeira do negócio, conhecer o que entra e sai de dinheiro, ter economias e investimentos é essencial para ter lucro e pensar em expansões e crescimentos.

Por isso, contar com plano de contas bem estruturado é ter uma ferramenta poderosa para organização e registros das movimentações financeiras da empresa.

Se você ainda não começou a montar o seu plano de contas, chegou a hora de falar mais sobre ele. Confira já nosso artigo e saiba como começar a montar o seu!

O que é o plano de contas?

O plano de contas é uma ferramenta utilizada para os registros das movimentações financeiras das empresas, dando melhor visão sobre tudo que entra e sai do negócio.

É essa ferramenta que, além de organizar, categoriza as informações, estabelecendo padrões e fazendo com que tudo o que acontece na organização esteja claro.

Com um plano de contas, é possível nortear os trabalhos de registros de operações e elaborar demonstrações contábeis e financeiras ao longo dos períodos. Essa é uma tarefa fundamental para a gestão financeira e deve ser feita pelos empreendedores.

Para elaborar o plano de contas, é necessário levar em contas alguns princípios de contabilidade, afinal, ele deve atender às necessidades de informações financeiras e manter um formato compatível com o balanço patrimonial e demonstrações contábeis.

Dessa forma, para atender às determinações do setor, o plano de contas deve ser feito com base nas Normas Brasileiras de Contabilidade.

Como elaborar um plano de contas?

O plano de contas envolve três grandes grupos: são os ativos, passivos e contas de resultado. Cada conta deve registrar todos os lucros, prejuízos, receitas e despesas de forma separada e detalhada.

Nos ativos, agrupam-se as contas que representam bens ou direitos da empresa; os passivos tratam-se dos agrupamentos de contas que representam as obrigações das empresas e do patrimônio líquido.

Por fim, as contas de resultados representam receitas ou despesas das organizações. É importante lembrar que cada grupo se divide em diversas subcategorias.

Ativos

Os ativos dizem respeitos às contas nas quais são registrados os bens, créditos e direitos que compõem o patrimônio da empresa.

Podemos exemplificar os ativos como estoque, máquinas, equipamentos, prédio, sede da empresa, entre outros.

Os ativos se dividem em subcategorias. O primeiro diz respeito às contas ativas circulantes, que são as contas em que o dinheiro, de fato, circula, como o caixa geral que já está na empresa, contas bancárias e aplicações financeira.

E podemos citar também o que diz respeito a longo prazo, o que é seu direito receber um dinheiro, mas ele ainda não circulou, como contas a receber de clientes, estoque acumulado, entre outros.

Por isso, o plano de contas sugere descrever os ativos, que correspondem a todo valor que a empresa deve receber do seu público ou parceiros durante determinado período.

É comum que muitas empresas deixem passar muito tempo até cobrarem os clientes, e é preciso estar atento ao índice de inadimplência, que pode causar prejuízos grandes aos negócios.

Passivos

Os passivos se referem as contas em que são registrados os deveres e obrigações da empresa com terceiros. Elas são fundamentais no modelo de plano de contas, e é necessário conhecer cada um deles para mensurar e elencar suas despesas, classificando-as em categorias.

Alguns exemplos de passivos são pagamento de fornecedores, empréstimos, financiamentos, obrigações fiscais e sociais, que são registradas e assumidas por um determinado período de tempo.

É importante conhecer o que a empresa está devendo para seus fornecedores, parceiros e credores em geral e entender qual os prazos de pagamento e finalização das dívidas.

Por vezes, as empresas têm dificuldades em saber o que ganham e em contabilizar o que é dado como lucro e o que foi investimento e pagamentos.

As contas passivas também podem ser divididas em subgrupos, assim como as ativas. Sendo as circulantes, aquelas que a empresa tem que pagar em um prazo de 12 meses e as de longo prazo, que ultrapassam esse período.

Já o segundo grupo diz respeito ao longo prazo, as contas a serem pagas em um prazo maior que um ano e das contas permanentes, que são as contas arcadas mensalmente para que o estabelecimento funcione.

É ideal saber todas as suas contas, elencar seus valores e prazos e utilizar contratos, notas fiscais e documentos que possam comprovar as transações realizadas.

É ideal trabalhar em conjunto com os setores de vendas para entender o que entra de finanças na empresa e para, até mesmo, traçar estratégias a fim de aumentar as vendas e melhorar os resultados.

Contas de resultado

As contas de resultado contam com as despesas e receitas. É essencial dividi-las em duas colunas no plano de contas.

Quanto às despesas, é preciso classificar tudo o que é essencial para o seu empreendimento funcionar, como aluguel, salários, manutenção, entre outros. Sobre as receitas, vale a pena seguir o controle de pagamento do que entra em seu estabelecimento.

Para realizar um bom plano de contas, é essencial envolver um contador na elaboração, afinal, são esses profissionais que terão modelos definidos e que funcionem de fato com as estruturas de seu negócio.

Após isso, é preciso identificar cada umas de suas contas, sejam receitas, despesas, custos e investimentos. É importante que nada fique de fora para que a contabilidade seja feita de forma realista.

Defina níveis de despesas fixas e variáveis, custos que mudam ou são os mesmos todo mês, e saiba o que acontece realmente em seu empreendimento.

Quais são as vantagens de um plano de contas?

Além de fazer o gestor da empresa entender o que entra e sai de sua empresa, um plano de contas organizado pode ajudar a empresa em outros aspectos e até mesmo melhorar a sua imagem no mercado frente à concorrência.

Com o plano de contas bem desenvolvido, é possível utilizar dados levantados para análise detalhada, que ajudam na tomada de decisões e de plano de ação.

Além disso, com a boa gestão das finanças e burocracia, a administração do negócio passa a ser mais assertiva, melhorando o gerenciamento da empresa.

Outro ponto importante é que, ao fazer um plano de contas adequado, a empresa passa a se adequar às normas contábeis, facilitando outras tarefas como balanço patrimonial e demonstrações contábeis.

Além de ter a ajuda de um contador, é importante que a empresa conte com softwares de automação, conseguindo fazer registros fiscais e contábeis ao longo dos dias, facilitando a reunião de informações para o plano de ação.

É importante ter todos os dados possíveis, para que o plano seja feito de forma realista e nada se perca pelo caminho.

E então, você já fez alguma vez um plano de contas em sua empresa? Agora que você conhece um pouco mais sobre o tema, coloque a mão na massa e aproveite para saber um pouco mais sobre técnicas de vendas!